Por José Carlos Araújo

Precipitada ou não a decisão que havia derrubado o Enem 2010, agora tem uma nova versão. Para muitos milhares de estudantes a decisão foi à saída quem sabe para outros, (os prejudicados), com tolerância zero.

O fato é que agora se espera uma nova versão dessa “novela” brasileira, que só pode chegar a um final por meio aqueles mais interessados, como o próprio Ministério da Educação, que com essa nova versão do caso não vai precisar gastar mais nada. O desgaste foi mera coincidência, pelo fato de que esse mesmo problema já aconteceu durante versões anteriores do mesmo provão. Pois bem, só que nunca aprenderam como se faz isso com qualidade.

Enquanto isso 3 milhões de estudantes ficam a deriva, na dúvida, de quem sabe, tudo possa se reverter novamente nas próximas horas.

Arte extraída da internet

Leia abaixo a reportagem do site www.uol.com.br na integra:

A liminar que suspendia o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2010 foi derrubada pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 5ª Região nesta sexta-feira (12). A decisão foi tomada pelo desembargador Luiz Alberto Gurgel de Faria, presidente do TRF da 5ª Região, sediado na capital pernambucana. A informação é do JC Online. O ministro da Educação, Fernando Haddad, viajou a Recife e se reúne com o desembargador agora pela manhã.

Segundo nota do TRF, o presidente do TRF da 5ª Região “ressaltou que a suspensão de um certame envolvendo mais de 3 milhões de estudantes traria transtornos de monta aos organizadores e [aos] candidatos de todo o Brasil e que a alteração do cronograma do Enem repercutiria na realização dos vestibulares promovidos pelas instituições de ensino superior”.

Ainda segundo o mesmo comunicado, o desembargador destacou ainda a “possibilidade de um elevadíssimo prejuízo ao erário” para a contratação dos serviços para a impressão e aplicação de um novo exame a todos os inscritos. Para o desembargador, “a decisão do Juízo Federal cearense, louvada em eventual irregularidade nas provas de menos de 0,05% dos candidatos, equivalente a 2.000 estudantes, finda por prejudicar todos os demais (cerca de 3.000.000), afrontando o princípio da proporcionalidade”.

Segundo Haddad, demoraria “de dois a três meses” para que fosse organizada uma nova edição do Enem. A declaração foi dada ao Bom Dia Brasil e foi ao ar na manhã desta sexta (12).

O MEC (Ministério da Educação) pretende realizar a nova prova do Enem nos dias 4 e 5 de dezembro, para os alunos que receberam a prova com erro de impressão e não conseguiram trocá-la de imediato.

Entenda a batalha judicial

Estudantes identificaram problemas nos cadernos de provas e nos gabaritos do Enem, que foi aplicado nos dias 6 e 7 de novembro. Nos cadernos amarelos, havia questões repetidas e faltantes. Já nas folhas de resposta, os cabeçalhos dos testes de ciências da natureza e ciências humanas vieram trocados.

Depois disso, a Justiça suspendeu o Enem 2010. No dia 8 de novembro, a juíza Karla de Almeida Miranda Maia, da 7ª Vara Federal do Ceará, acatou argumento do MPF (Ministério Público Federal) e determinou a imediata suspensão do Enem 2010 em todo o Brasil. A Justiça entendeu que o erro de impressão das provas levou prejuízo aos candidatos.

Os réus questionaram a amplitude da decisão, ao que a juíza esclareceu que todo o processo deveria ficar suspenso. Isso incluía a divulgação do gabarito no final da terça-feira e a abertura de sistema de reclamação sobre o preenchimento dos gabaritos, previsto para a quarta (10).

Mesmo com essa decisão, o procurador da República no Ceará, Oscar Costa Filho, pediu a anulação do Enem. “A prova tem que ser nula, independentemente de qualquer coisa”, afirmou o procurador, que defende uma apuração criteriosa das responsabilidades pelas falhas.

A DPU (Defensoria Pública da União) do Ceará se juntou ao MPF (Ministério Público Federal) do Estado no pedido de anulação do Enem.

No dia 11 de novembro a AGU protocolou o recurso contra a suspensão do Enem.

Anúncios