Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE

Por José Carlos Araújo

Não é difícil concluirmos que o estado de Mato Grosso, é sem sombra de dúvidas o estado que mais queima atualmente no território nacional, segundo dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE.

E como os noticiários nacionais mostram todos os dias em seus telejornais os grandes focos de incêndios, ao mesmo tempo apresentam números. Dados assustadores que nos eleva ao ranking no desmatamento e ao mesmo tempo de queimadas.

Quer ver só, este ano, por exemplo, o INPE nos informou que em seis meses, ou seja, de janeiro a junho de 2010 foram detectados 11. 320 focos de calor no Brasil, e para completar o Mato Grosso aparece da seguinte maneira: mais de 45 mil focos nesse mesmo período.

É absolutamente alarmante, e o governo não esta nem ai diante da tragédia que consome nossa população e principalmente nosso ecossistema rico em espécies de arvores e animais da Floresta Amazônica.

Em Marcelândia, norte do estado no início do mês de agosto mais de 100 casas e aproximadamente 20 madeireiras devastadas por um grande incêndio que ganhou em poucas horas as principais manchetes das emissoras de TV, rádio e impressos

do país. Prejuízos equivalentes a R$ 12 mi e mais de (100) famílias desabrigadas.

O povo tem ajudado, mas isso não basta levando em conta que o governo deve e precisa obrigatoriamente encontrar uma solução que possa combater ou pelos controlar esse absurdo titulo de primeiro lugar nas queimadas.

Silval Barbosa do (PMDB) atual governador e candidato a reeleição no estado, até que esteve lá, mas foi apenas para um breve discurso. Ele foi de avião e não de carro porque havia muita poeira. Prometeu cinqüenta casas populares, daquelas que não chegam a 45 metros quadrados, e ainda declarou: “prometo liberar uma linha de crédito para os empresários que perderam suas empresas madeireiras”.

Pois bem, até ai tudo bem, mas quando um site de Mato Grosso revelou que o mesmo Silval, disse que esta tudo sob controle foi à gota dágua que faltava. Segundo o mesmo site o exército forneceu na semana passada cinqüenta homens para combater diretamente nos locais mais críticos. Silval pensou! Pensou! E resolveu aceitar a ajuda, até porque em Cuiabá onde ele mora não tem muito problema com queimadas.

Para finalizar os dados alarmantes do estado que mais queimou em 2010 agora é a vez de Sinop, também no norte sofrer com as queimadas. Pois há 90 quilômetros dali mais de 10 mil hectares de floresta já foram consumidas por outro grande incêndio.

Até o fechamento desse artigo o fogo ainda consumia a vegetação do local e parte da maior concentração de Castanheiras da Amazônia Legal que fica justamente na mesma área devastada aos poucos pelas chamas.

O detalhe é que o governo disponibilizou apenas uma aeronave da Defesa Civil para ajudar. E que ajuda!