Por José Carlos Araújo

Em 1990 o 58º Batalhão de Infantaria motorizado, localizado em Aragarças – Goiás, divisa como Mato Grosso ingressou no serviço militar um índio da etnia Xavante.

O soldado Tobias com era conhecido prestou o serviço durante um ano, e recebeu baixa no dia (8) de março de 1991 – terceira baixa do Batalhão que mesmo localizado em Goiás pertence à 9ª Região Militar de Campo Grande-MS.

Pois bem, tivemos também a história do índio que foi deputado federal pelo PDT do Rio de Janeiro, embora fosse de Mato Grosso, Mário Juruna (cacique já falecido) se tornou na época o único índio da história da política brasileira Deputado Federal entre os anos de 83 a 87.

Agora é a vez de outros dois indígenas disputarem uma eleição no estado, sendo o Cacique Milton Jorge Turi Rondon, da etnia Terena de Rondonópolis – Sul de Mato Grosso. Ele concorre pelo PSDC aos 55 anos de idade.

foto extraída da internet

O segundo índio é Onésimo Une Tserewaririwe conhecido como Onézio Juruna, filho do ex-deputado Mário Juruna. Ele tem 31 anos, e pertence a reserva São Marcos região de Barra do Garças – leste de Mato Grosso.

Agora eles torcem para conquistar o máximo de votos e se elegerem com o apoio de suas etnias.

Dizem por lá que são famosos por conduzirem protestos na região, uma espécie movimento “Chavesismo” diante dos problemas que assola os índios da região, só que essa ditadura racial tem nome, “pele vermelhas”.